OUVIDORIA DO SINDICATO
CONTATO
SOBRE
HOME

Em defesa da democracia e a favor do IFMT que queremos

Em defesa da democracia e a favor do IFMT que queremos

O SINASEFE - seção sindical Mato Grosso como entidade representativa da categoria dos servidores e servidoras do IFMT, diante do cenário de eleição para diretores gerais e reitor, reafirma que não apoia nenhuma candidatura, pois preza pela independência e pela autonomia frente a qualquer gestão, seja de reitoria, seja de diretoria.

Saiba Mais
Pandemia dificulta tramitação da Reforma Administrativa, mas PEC 32 continua sendo articulada nos bastidores

Pandemia dificulta tramitação da Reforma Administrativa, mas PEC 32 continua sendo articulada nos bastidores

Que a maioria dos parlamentares brasileiros são neoliberais e votam pela punição dos trabalhadores e trabalhadoras, você não tenha dúvida. Em vez de apreciar pautas como a taxação das grandes fortunas, deputados e senadores preferem apreciar matérias como reforma trabalhista e reforma da previdência, precarizando a vida laboral do trabalhador e dificultando o processo de aposentadoria de trabalhadores dos setores público e privado. A bola da vez é a reforma administrativa.    

Saiba Mais
Sindicato adquire livros para distribuição nos campi

Sindicato adquire livros para distribuição nos campi

Compreendendo a fala da professora e filósofa Angela Davis que “numa sociedade racista não basta não ser racista, é preciso ser antirracista”, o SINASEFE MT adquiriu 2 exemplares de livros que abordam a temática para cada um dos 19 campi do Instituto Federal de Mato Grosso. 

Saiba Mais
Mesa Redonda entre os candidatos à Reitoria do IFMT acontece hoje (17)

Mesa Redonda entre os candidatos à Reitoria do IFMT acontece hoje (17)

Todas as seções sindicais do SINASEFE em Mato Grosso estão organizando uma mesa redonda entre os candidatos à Reitoria do IFMT. A atividade coordenada em grupo será realizada hoje (17), deve ter início às 18h e será transmitida ao vivo através do canal do SINASEFE MT no Youtube (https://www.youtube.com/sinasefemt).  

Saiba Mais
Seções sindicais promovem lives para mostrar a candidatos à Reitoria o que precisa ser aperfeiçoado no IFMT

Seções sindicais promovem lives para mostrar a candidatos à Reitoria o que precisa ser aperfeiçoado no IFMT

Nos próximos dias, todas as seções sindicais do SINASEFE em Mato Grosso devem promover transmissões ao vivo com o objetivo de apresentar aos trabalhadores, trabalhadoras e candidatos à Reitoria do instituto qual o IFMT que queremos. 

Saiba Mais

HOME / NOTÍCIAS

Sexta-Feira, 23 de Outubro de 2020, 12h52   (Atualizada 23/10/2020 às 12:52)

Expedição de voluntários identifica queimadas ilegais em fazendas do Pantanal, com foco no desmatamento

PANTANAL PEDE SOCORRO
Reprodução/YouTube

Uma expedição solidária à Baía dos Guatós (localizada a 54km do distrito São Pedro de Joselândia, no município de Barão de Melgaço), composta por voluntários e representantes de instituições doadoras de donativos, identificou indícios de incêndios ilegais, ou seja, provocados com a intensão de desmatamento.

 

O grupo, a convite do ator e ativista Sandro Lucose, esteve nessa parte do Pantanal com o objetivo de entregar cestas básicas e água mineral a três comunidades dos indígenas pantaneiros Guató, vitimadas pela seca do Corixo do Pepe (um dos braços do Rio Cuiabá), pela escassez de peixes e pelo fogo nos pomares.

 

Nessa região, afastada das comunidades pantaneiras, é possível identificar três “tipos” de terras: as fazendas, as demarcadas para os indígenas Guató e a Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) do Sesc Pantanal, com bases na região. A diferença dos ambientes era evidente: as matas indígenas preservadas, alguns focos de incêndio na RPPN – provavelmente provocado por alguma faísca levada pelo vento – e terras desmatadas em fazendas.

 

As evidências apontavam para incêndios provocados em fazendas, pois havia dezenas de árvores cortadas e queimadas, muitas das quais de grande porte, cujos troncos já estavam empilhados para transporte e o terreno já terraplanado, mesmo com as cinzas do fogo recente. Houve lugares em que se encontrava as raízes, mas não havia mais os troncos.

 

É importante destacar que as queimadas são proibidas no período de seca – 120 dias a contar de 15 de julho, conforme Decreto nº 10.424/2020. “Nós que estávamos lá pudemos ver claramente a diferença no meio ambiente entre as terras indígenas e as fazendas, o desmatamento é gritante, até fizemos um vídeo”, contou o ativista Sandro Lucose. A expedição, pensada para atender as comunidades Guató, gerou um importante arquivo de imagens.

 

“Quando voltamos a Cuiabá, procuramos os dois órgãos ambientais principais – a Sema e o Ibama. A Sema checou que a fazenda [Campo Novo] não está cadastrada no sistema deles, inclusive disseram precisar de nossa denúncia, por mais que o satélite identifique que tem desmatamento naquela área. Mas nos disseram que não podem fazer nada, por estar dentro de terras indígenas. O Ibama, por sua vez, informou que não tem condição agora de cuidar disso, que tomariam providência quando tiverem estrutura”, denunciou.

 

Indignado e buscando formas de barrar os incêndios e derrubadas de matas ilegais, Sandro Lucose tem procurado a imprensa, na perspectiva de que, por meio da denúncia social, sejam tomadas providências.

 

A expedição

 

A iniciativa do grupo voluntário partiu de um pedido de socorro da representante guató Jane Regina de Oliveira, que divulgou as grandes dificuldades que a Baía dos Guatós estava vivenciando.

 

Com a seca do corixo - episódio inédito, mesmo em tempo de seca -, os peixes estão morrendo por falta de oxigênio e as poucas poças d’água estão barrentas, dificultando o consumo. Além disso, um incêndio consumiu os pomares das aldeias. Para pescar, é necessário caminhar dois quilômetros, arrastando o barco e carregando o motor em uma carriola. Por tais situações, falta alimento aos indígenas e fonte de renda.

 

O patriarca das famílias da região Coqueiro, Guilherme Pedroso da Silva, denunciou que o incêndio que consumiu as terras indígenas partiu da fazenda Campo Novo. “Eles tacaram fogo na fazenda deles e usaram o contra-fogo para parar. Mas aí descontrolou e invadiu nossos mandiocais, bananais...”, contou.

 

O grupo de voluntários levou cestas básicas, água mineral, algumas frutas e sementes para plantio, doadas por voluntários e por instituições públicas e privadas sensibilizadas com a causa. Os donativos foram divididos igualmente entre as três comunidades indígenas da Baía dos Guatós: Coqueiro, São Benedito e Aterradinho, conforme decisão do cacique José Maria de Paula.

Fonte: Priscila Mendes

VIDEO DA NOTÍCIA

Voltar

COMENTAR A NOTÍCIA

Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica - MT
Rua Marechal Floriano Peixoto, 97. CEP: 78.005-210. Cuiabá-MT
(65) 3358-3171 - (65) 99234-1887.   CNPJ:03.658.820/0010-54.  sinasefemt@sinasefemt.org.br
© Copyright 2020 - Todos os Direitos Reservados
WEB SITE DESENVOLVIDO E HOSPEDADO POR: MRX WEB SITE - WWW.MRXWEB.COM.BR