OUVIDORIA DO SINDICATO
CONTATO
SOBRE
HOME

Sindicato pede esclarecimentos urgentes sobre convocação irregular de servidores

Sindicato pede esclarecimentos urgentes sobre convocação irregular de servidores

O SINASEFE/MT solicitou ontem (13), à Reitoria do Instituto Federal de Mato Grosso, esclarecimentos acerca de convocações extraordinárias e irregulares realizadas no campus Sinop. Em duas ocasiões, a administração do campus emitiu comunicados convocando os servidores da instituição para a realização de atividades que não são de sua competência.

Saiba Mais
SINASEFE/MT promove ciclo palestras e debates em alusão ao Dia da Consciência Negra

SINASEFE/MT promove ciclo palestras e debates em alusão ao Dia da Consciência Negra

O SINASEFE/MT, através da Comissão de Mobilização Permanente – Campus Bela Vista, realiza nos próximos dias 18 e 19 de novembro no auditório do campus, o evento “Palmares somos todxs nós” para comemorar e promover a reflexão sobre o Dia da Consciência Negra.

Saiba Mais
Todo apoio à professora Camila Marques

Todo apoio à professora Camila Marques

O tempo em que vivemos, cada vez mais, se prova digno do título de fascista. Os exemplos são vastos: prisão arbitrária de líderes sindicais, execução sumária de defensores dos direitos humanos e lideranças dos movimentos sociais, recorrentes assassinatos das populações nas periferias, de indígenas e quilombolas, caça deliberada de militantes ambientais, censura contra a arte, defesa de um novo AI 5 etc.

Saiba Mais
Professora Camila Marques pode ser demitida por ter sido presa injustamente

Professora Camila Marques pode ser demitida por ter sido presa injustamente

A professora Camila Marques denuncia no vídeo acima que está sofrendo um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) aberto pelo reitor do Instituto Federal de Goiás (IFG), Jerônimo Rodrigues, após ter sido presa injustamente no dia 15 de abril de 2019.

Saiba Mais
UFMT oficializa rejeição ao Future-se

UFMT oficializa rejeição ao Future-se

Nesta quarta-feira, 06/11, a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) se uniu a outras dezenas de universidades federais que já rejeitaram formalmente o programa Future-se, apresentado pelo governo federal em julho deste ano. 

Saiba Mais

HOME / NOTÍCIAS

Quinta-Feira, 07 de Novembro de 2019, 18h32   (Atualizada 07/11/2019 às 18:32)

UFMT oficializa rejeição ao Future-se

VITÓRIA DA EDUCAÇÃO

Nessa quarta-feira, 06/11, a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) se uniu a outras dezenas de universidades federais que já rejeitaram formalmente o programa Future-se, apresentado pelo governo federal em julho deste ano. Em reunião conjunta entre os três conselhos superiores, com apenas um voto contrário e duas abstenções, a universidade ratificou a decisão da assembleia geral unificada realizada no dia anterior por estudantes, técnicos administrativos e professores.

 

Os conselhos se basearam, primeiramente, no parecer elaborado por uma comissão interna que estudou ponto a ponto as duas versões do programa apresentado pelo governo federal. No documento, a comissão apontou diversas vezes o caráter privatista da proposta, que afronta inclusive a legislação vigente, além da ausência de concretude da ideia de captação de recursos próprios por meio de parcerias com a iniciativa privada.

 

“Muitas das terminologias apresentadas no texto do Future-se advém de uma lógica mercadológica. É preocupante a transferência de um modelo adequado ao mercado para a educação universitária pública”, leu a conselheira Patrícia Osório.

 

Por fim, a comissão recomendou a não adesão ao Future-se por, dentre outros motivos: ausência de interlocução com os reitores e a comunidade acadêmica; tempo exíguo para avaliação e manifestação acerca da “celebração do contrato de desempenho” (o que, na primeira versão, aparece como adesão); falta de detalhamento que permita uma avaliação mais segura do futuro das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES); falta de disponibilidade de estudos de impacto no orçamento das IFES; falta de detalhamento para captação, administração e repasses dos recursos orçamentários; a cessão de servidores para as Organizações Sociais (OS’s) contratadas (citada na primeira versão da proposta); cessão de bens públicos para as OS’s; atribuições, competências e limites das organizações sociais sob a administração do fundo da autonomia financeira das IFE’s; e o impacto das mudanças quanto à proposta de modificação de um número expressivo de leis e marcos sem os devidos estudos prévios.

 

O texto termina reafirmando a posição dos conselhos na defesa da universidade pública, gratuita, laica, democrática e referenciada socialmente, uma conquista da sociedade assegurada pela Constituição Federal.

 

Após a leitura e aprovação do parecer, que obteve pequenas sugestões de modificações, os conselhos realizaram nova votação, dessa vez para oficializar a posição dos conselhos, instâncias máximas de deliberação na universidade, frente à apresentação dos argumentos e da recomendação pela não adesão.

 

Com apenas duas abstenções e um voto contrário, a posição oficial da UFMT é a rejeição ao Future-se, seja qual for a forma que se apresente. Os estudantes, professores e técnicos que acompanharam a votação comemoraram.   

 

“A assembleia foi muito importante, porque a gente conseguiu mobilizar todas as categorias da universidade, não só em Cuiabá, mas também em Sinop, Araguaia, Várzea Grande e Rondonópolis. Foi uma assembleia histórica, num momento histórico, porque é um momento de desmonte do Estado brasileiro. A universidade ter tomado essa posição torna a assembleia e o resultado da mobilização de hoje muito mais importantes, porque a gente fez um enfrentamento a um governo que não nega a sua intenção maior, que é vender todo o patrimônio público. Isso indica que há disposição para a luta e organização das entidades”, avaliou o diretor-geral da Adufmat-Ssind, Aldi Nestor de Souza.

 

A luta, no entanto, deve continuar. “Vamos precisar dessa mobilização, dessa unidade, para outras lutas constantes daqui para frente. Os professores, por exemplo, têm agora uma reforma administrativa que ameaça a diminuição da carga horária e do salário. Isso foi anunciado hoje, mesmo dia dessa vitória nos conselhos. Isso significa que nós temos de continuar mobilizados, com essa disposição para lutar, com um trabalho frequente de mobilização e luta, porque, com esse governo, só nos resta fazer isso. Já temos certeza dos cortes para o ano que vem, das dificuldades que virão, e acreditamos que o Future-se não está morto. Lutar pela universidade pública vai continuar sendo necessário todos os dias, isso é do capital, não vai ter dia de folga”, concluiu o docente.  

Fonte: Adufmat
Voltar

COMENTAR A NOTÍCIA

Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica - MT
Rua Marechal Floriano Peixoto, 97. CEP: 78.005-210. Cuiabá-MT
(65) 3358-3171 - (65) 99234-1887.   CNPJ:03.658.820/0010-54.  sinasefemt@sinasefemt.org.br
© Copyright 2019 - Todos os Direitos Reservados
WEB SITE DESENVOLVIDO E HOSPEDADO POR: MRX WEB SITE - WWW.MRXWEB.COM.BR