OUVIDORIA DO SINDICATO
CONTATO
SOBRE
HOME

Sindicato pede esclarecimentos urgentes sobre convocação irregular de servidores

Sindicato pede esclarecimentos urgentes sobre convocação irregular de servidores

O SINASEFE/MT solicitou ontem (13), à Reitoria do Instituto Federal de Mato Grosso, esclarecimentos acerca de convocações extraordinárias e irregulares realizadas no campus Sinop. Em duas ocasiões, a administração do campus emitiu comunicados convocando os servidores da instituição para a realização de atividades que não são de sua competência.

Saiba Mais
SINASEFE/MT promove ciclo palestras e debates em alusão ao Dia da Consciência Negra

SINASEFE/MT promove ciclo palestras e debates em alusão ao Dia da Consciência Negra

O SINASEFE/MT, através da Comissão de Mobilização Permanente – Campus Bela Vista, realiza nos próximos dias 18 e 19 de novembro no auditório do campus, o evento “Palmares somos todxs nós” para comemorar e promover a reflexão sobre o Dia da Consciência Negra.

Saiba Mais
Todo apoio à professora Camila Marques

Todo apoio à professora Camila Marques

O tempo em que vivemos, cada vez mais, se prova digno do título de fascista. Os exemplos são vastos: prisão arbitrária de líderes sindicais, execução sumária de defensores dos direitos humanos e lideranças dos movimentos sociais, recorrentes assassinatos das populações nas periferias, de indígenas e quilombolas, caça deliberada de militantes ambientais, censura contra a arte, defesa de um novo AI 5 etc.

Saiba Mais
Professora Camila Marques pode ser demitida por ter sido presa injustamente

Professora Camila Marques pode ser demitida por ter sido presa injustamente

A professora Camila Marques denuncia no vídeo acima que está sofrendo um Processo Administrativo Disciplinar (PAD) aberto pelo reitor do Instituto Federal de Goiás (IFG), Jerônimo Rodrigues, após ter sido presa injustamente no dia 15 de abril de 2019.

Saiba Mais
UFMT oficializa rejeição ao Future-se

UFMT oficializa rejeição ao Future-se

Nesta quarta-feira, 06/11, a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) se uniu a outras dezenas de universidades federais que já rejeitaram formalmente o programa Future-se, apresentado pelo governo federal em julho deste ano. 

Saiba Mais

HOME / NOTÍCIAS

Segunda-Feira, 14 de Outubro de 2019, 13h07   (Atualizada 14/10/2019 às 13:07)

Semana de Combate ao Assédio Moral aborda saúde e adoecimento no trabalho e reforça a luta e os laços de solidariedade

CONHECIMENTO É PODER

A "I Semana de Combate ao Assédio Moral", deflagrada pelo SINASEFE/MT entre os dias 30 de setembro e 04 de outubro, foi iniciada com o lançamento da Carta Manifesto que abordou a questão das práticas autoritárias e assediadoras no ambiente de trabalho.

 

O ponto central da campanha foi a prevenção da ocorrência dos assédios por meio de palestra formativa e educativa e, para abordá-lo, recebemos como convidado o professor dr. Nilson Berenchtein Netto, da Universidade Federal de Uberlândia. 

 

A palestra, intitulada "Saúde Mental e Assédio Moral em Tempos de Crise: Uma abordagem histórico crítica", foi realizada em quatro campi: Várzea Grande, Cuiabá - Campus Octayde Jorge da Silva, Sinop e Primavera do Leste, e já apresenta seus resultados preventivos às situações de assédio, que podem ser verificados pelo alcance das discussões em cada cidade.

 

O abaixo-assinado com pedido de investigação das denúncias ocorridas no Campus Avançado de Sinop foi representativo, totalizando 215 assinaturas, e contou com adesão em todos os campi do IFMT, inclusive dos servidores lotados na Reitoria. Outro dado significativo foi a adesão de 18 servidores do Campus Sinop, que tem, em seu quadro, 44 servidores, representando, assim, 41% do total de trabalhadores lotados no campus.

 

De acordo com o coordenador geral do SINASEFE/MT e professor de sociologia do Campus Sorriso, Leandro Viana de Almeida, “ainda existe muito medo em falar sobre as situações de assédio no trabalho dentro do IFMT, sobretudo, dos colegas que se encontram em regime de contrato temporário e em estágio probatório. Há receio também de serem perseguidos os que buscam transferência para ficar mais próximos de seus familiares. Todos esses relatos chegam ao sindicato cotidianamente.”

 

O professor enfatiza ainda que “em atividade de formação, entendemos que as situações de assédio moral devem ser tratadas, inicialmente, como questão de saúde e por meio do acolhimento da vítima; posteriormente, partimos para ação política e jurídica. Tentativas de mediação e diálogo são necessárias e válidas, mas, caso não funcionem, a assessoria jurídica do sindicato permanecerá à disposição”.

 

Para Priscila Ferrari, psicóloga do Campus São Vicente e coordenadora de Administração e Finanças do SINASEFE/MT, “não é apenas a vítima de assédio quem sofre, os colegas que estão em volta também podem ser contaminados pelo ambiente de tensão. Instaura-se um clima de medo e temem  ser  ‘a próxima vítima’ e ainda podem se distanciar da pessoa assediada. O que contribui ainda mais para o sofrimento da vítima. É um processo muito doloroso”, afirma. 

Em relação ao aspecto clínico, comenta que "a demora em relação às investigações sobre os casos de assédio, dentro do ambiente institucional, pode provocar e intensificar os danos psíquicos, uma vez que aumenta a angústia e abre um campo para fantasias e ’delírios persecutórios’ (casos mais graves), a vítima pode passa a se sentir culpada e a  desconfiar de todos à sua volta." Segundo a psicóloga, são sintomas, surgidos posteriormente, os casos de sofrimento e mudanças de comportamento de algumas pessoas, que passam a se mostrar introspectivas e inseguras diante das atividades que lhes competem, outras podem agir com agressividade, ao ponto de ‘”explodir” a qualquer momento, embora já não estejam no ambiente tensor e próximas do assediador.

 

É muito importante saber identificar o assédio já no início. Para isso, é fundamental falar sobre o tema, acolher a vítima e os demais colegas.

 

Oseia Bier, coordenadora geral do SINASEFE/MT e professora de filosofia do Campus Alta Floresta, aponta que fica evidente, nas denúncias de assédio moral que provocaram a campanha, um problema que tem proliferado pelos diversos campi e que se manifesta por meio de práticas antissindicais. Um dos denunciantes, servidor do campus de Sinop, foi, recentemente, eleito como delegado sindical de base. A questão do não-reconhecimento do sindicato como legítimo representante dos servidores, as tentativas de impedir adesão nas mobilizações, os processos administrativos e a perseguição política, verificados já há alguns anos, têm aumentado exponencialmente. Em tempos como esses que estamos vivendo, é imprescindível a organização da categoria para combater a retirada de direitos - combate este que, por sua vez, é também um direito e que tem sido constantemente negado.

 

O SINASEFE/MT realiza o acolhimento imediato aos servidores que denunciam situações de assédio; numa conversa franca e clara, a coordenadora e psicóloga Priscila ouve e esclarece eventuais dúvidas dos trabalhadores. “Não podemos nos esquecer que estamos numa unidade de ensino onde passam pessoas, seres humanos. O acolhimento de qualidade é para dar garantias ao servidor de que nosso trabalho está sendo desenvolvido com seriedade”, finaliza.

 

O abaixo-assinado ainda está disponível para apoio dos servidores que se identificam com a defesa da saúde mental e do bem-estar no ambiente de trabalho, e pode ser acessado neste link.

Fonte: Assessoria
Voltar

COMENTAR A NOTÍCIA

Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica - MT
Rua Marechal Floriano Peixoto, 97. CEP: 78.005-210. Cuiabá-MT
(65) 3358-3171 - (65) 99234-1887.   CNPJ:03.658.820/0010-54.  sinasefemt@sinasefemt.org.br
© Copyright 2019 - Todos os Direitos Reservados
WEB SITE DESENVOLVIDO E HOSPEDADO POR: MRX WEB SITE - WWW.MRXWEB.COM.BR