OUVIDORIA DO SINDICATO
CONTATO
SOBRE
HOME

Semana de Combate ao Assédio Moral aborda saúde e adoecimento no trabalho e reforça a luta e os laços de solidariedade

Semana de Combate ao Assédio Moral aborda saúde e adoecimento no trabalho e reforça a luta e os laços de solidariedade

O ponto central da campanha foi a prevenção da ocorrência dos assédios por meio de palestra formativa e educativa e, para abordá-lo, recebemos como convidado o professor dr. Nilson Berenchtein Netto, da Universidade Federal de Uberlândia. 

Saiba Mais
SINASEFE ajuiza ação contra extinção de FGs

SINASEFE ajuiza ação contra extinção de FGs

Assessoria Jurídica Nacional (AJN) do SINASEFE ajuizou no dia 19 de setembro a Ação Civil Pública nº 1027521-53.2019.4.01.3400, distribuída para 8ª Vara Federal de Brasília-DF, contra o Decreto nº 9725/2019.

Saiba Mais
Live sobre Militarização da Educação

Live sobre Militarização da Educação

O SINASEFE Nacional promoveu no último dia 18 de setembro, em sua fanpage no Facebook, uma transmissão ao vivo que debateu os projetos de Militarização da Educação em curso no país e seus efeitos negativos à qualidade e à liberdade do Ensino.

Saiba Mais
Uma foto que mostra o que é a uberização do trabalho

Uma foto que mostra o que é a uberização do trabalho

Tá achando que motorista do Uber é “empresário” ou o guri de bicicleta leva comida nas costas é “empreendedor”? A foto mostra o que significa o uso das tecnologias para aumentar a exploração sobre o povo. 

Saiba Mais
Seções sindicais pedem à Reitoria esclarecimentos sobre a situação financeira do IFMT e cobram diálogo a respeito do Future-se

Seções sindicais pedem à Reitoria esclarecimentos sobre a situação financeira do IFMT e cobram diálogo a respeito do Future-se

Todas as seções sindicais do SINASEFE em Mato Grosso protocolaram um ofício solicitando informações precisas sobre a atual situação orçamentária do IFMT, tanto em âmbito geral quanto nas particularidades de cada campus. O documento também cobra da Reitoria a realização de audiências públicas para promover o amplo debate a respeito do programa Future-se.

Saiba Mais

HOME / NOTÍCIAS

Terça-Feira, 08 de Outubro de 2019, 14h02   (Atualizada 08/10/2019 às 14:02)

Uma foto que mostra o que é a uberização do trabalho

DIDÁTICO
Fotografia urbana de Buenos Aires, sob o governo neoliberal de Mauricio Macri /

Tá achando que motorista do Uber é “empresário” ou o guri de bicicleta leva comida nas costas é “empreendedor”? A foto mostra o que significa o uso das tecnologias para aumentar a exploração sobre o povo. Ou alguém acha mesmo que esta mulher, cuja foto captei Facebook do amigo Cristóvão Feil é “empreendedora”? Segue o comentário dele:

 

 

“O caos e para além do caos.

 

Na foto, um instantâneo que flagra a uberização do trabalho, ou seja, a incessante busca do capital por incentivar (via novas tecnologias) que a mais-valia relativa passe a se constituir em mais-valia absoluta, também conhecido como aumento da produtividade do trabalho assalariado.

 

Para tanto, é necessário derrubar direitos e conquistas dos próprios assalariados.

 

A moça da fotografia, mãe e trabalhadora, hoje é chamada cinicamente de “empreendedora”, alguém que se vira como pode, sem direito a nenhuma garantia social ou previdenciária, e tendo que andar com o filho na forma precaríssima de seu instrumento de trabalho.

 

A barbárie já habita o nosso meio.”

 

O extremo da exploração está aí. O Estado “mínimo” neoliberal não oferece nem creche e nem escolas infantis. E com as novas tecnologias, o neoliberalismo resolveu apostar na desregulamentação do mundo do trabalho, jogando os trabalhadores a disputarem entre si, enquanto os donos do capital financeiro e das tecnologias investem na exploração absoluta, jamais vista desde a origem do capitalismo.

 

A mulher tendo que trabalhar num trabalho precário, sem direito nenhum e tendo que carregar sua criança, porque nem isto mais se lhe oferece o Estado. Enquanto isso, aumenta o lucro dos Bancos e de empresas sem nenhum grande “ativo” (bens físicos com valor).

 

É a escravidão moderna e consentida, porque ideologicamente essas pessoas exploradas não se identificam como trabalhadoras, mas como supostas “empresárias”, que dependendo do seu próprio esforço, poderiam chegar a ser “milionárias”. Como?

 

Esta gurizada que anda de bicicleta nas ruas, pedalando 15 horas por dia para ganhar pouco mais de R$ 1.000,00 em média, como mostram pesquisas, detonam suas cartilagens e corpos, expostos a esforços físicos a céu aberto, sob sol ou chuva. E nenhum direito. Enquanto isso os donos dos aplicativos para os quais trabalham, saltam do padrão de “milionários” para “bilionários”.

 

A foto publicada pelo Cristóvão é simbólica. A trabalhadora superexplorada, sozinha, sem consciência de classe e sem classe a lhe oferecer consciência. Hora de reorganizar a classe trabalhadora, que já não é mais a antiga classe de trabalhadores industriais, mas a de trabalhadores prestadores de serviço e trabalhadores no comércio, e até a volta da produção artesanal, mas amplamente dependente de aplicativos e das redes.

 

Hora de mostrar aos que vivem do trabalho, que é possível e necessário a organização coletiva do próprio trabalho que executam, para que possam avançar.

Fonte: Brasil de Fato / Luiz Muller e Marcelo Ferreira
Voltar

COMENTAR A NOTÍCIA

Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica - MT
Rua Marechal Floriano Peixoto, 97. CEP: 78.005-210. Cuiabá-MT
(65) 3358-3171 - (65) 99234-1887.   CNPJ:03.658.820/0010-54.  sinasefemt@sinasefemt.org.br
© Copyright 2019 - Todos os Direitos Reservados
WEB SITE DESENVOLVIDO E HOSPEDADO POR: MRX WEB SITE - WWW.MRXWEB.COM.BR