OUVIDORIA DO SINDICATO
CONTATO
SOBRE
HOME

STF proíbe a redução salarial de servidores

STF proíbe a redução salarial de servidores

Na última quarta-feira (24), o Supremo Tribunal Federal declarou inconstitucionalidade ao dispositivo da Lei de Responsabilidade Fiscal que permitia à Administração Pública reduzir salários e jornada de trabalho dos servidores públicos. 

Saiba Mais
Racismo, branquitude, capitalismo dependente e fascismo são debatidos no Conversa de Classe

Racismo, branquitude, capitalismo dependente e fascismo são debatidos no Conversa de Classe

Diante dos recentes acontecimentos de violência policial sofridas por pessoas negras a nível nacional e mundial, se fez necessário debater ainda mais o racismo. 

Saiba Mais
Nota de Repúdio

Nota de Repúdio

A Frente Popular em Defesa do Serviço Público e de Solidariedade ao Enfrentamento à Covid-19 manifesta seu mais profundo repúdio à ação difamatória e de assédio moral coletivo da Prefeitura de Cuiabá que, a pretexto de realizar vistoria, violou os armários dos trabalhadores no Hospital de Referência para Covid-19 e os expôs a situação vexatória com acusações não comprovadas de retenção de EPI e extravio de forma ilícita, de forma vertical aplicando penalidades.

Saiba Mais
Conversa de Classe debate o racismo na próxima terça-feira (23)

Conversa de Classe debate o racismo na próxima terça-feira (23)

O próximo tema a ser debatido pelo projeto Conversa de Classe é o RACISMO. O tema é tão extenso que decidimos dividi-lo em 2 lives: a primeira será sobre "Racismo, branquitude, capitalismo dependente e 'fascismo nosso de cada dia'" e acontece na próxima terça (23), às 19h (horário de Mato Grosso) e 20h (horário de Brasília).

Saiba Mais
Projeto de extensão promove debates online durante a quarentena

Projeto de extensão promove debates online durante a quarentena

Uma iniciativa de servidores e estudantes do IFMT – campus São Vicente está gerando impactos positivos neste período de quarentena, isolamento social e suspensão das atividades presenciais nas unidades de ensino de todo o país.

Saiba Mais

HOME / NOTÍCIAS

Quarta-Feira, 14 de Agosto de 2019, 20h28   (Atualizada 14/08/2019 às 20:28)

Frente em Defesa da Educação Pública lança manifesto e cobra posição da UFMT sobre Future-se

SOCIALMENTE REFERENCIADA

Representantes da sociedade civil organizada lançaram na manhã desta terça-feira (13) a Frente em Defesa da Educação Pública de Mato Grosso, uma organização de iniciativa popular que reúne os mais diversos movimentos sociais. Também foi lançado um manifesto em que foram elencados o que eles chamam de principais ataques à educação infantil, básica, tecnológica e universitária. Na oportunidade, foi cobrado um posicionamento da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) quanto ao programa Future-se, lançado recentemente pelo Ministério da Educação (MEC).

“Sonhamos com escolas de graça e de qualidade em todos os bairros; universidades públicas e gratuitas em todas as regiões do país para que o filho e filha da faxineira tenham estudos tão bons quanto os filhos e filhas dos patrões e fazendeiros, num projeto de redução das desigualdades no nosso país”, diz trecho do manifesto.

O texto cita que com o congelamento dos investimentos sociais por 20 anos, professores estão sendo criminalizados, escolas estão ficando sem merenda e sem estrutura básica, inclusive as universidades com corte de luz, salários e bolsas. Outro fato apontado foi o corte de 30% dos recursos das universidades e de 47% dos recursos da educação básica, para pagar juros a bancos, segundo apontam.

Dentre as atividades da Frente em Defesa da Educação Pública de Mato Grosso, está a Greve Geral, mobilização nacional que ocorre na tarde de hoje, na região central de Cuiabá, em Defesa da Educação e contra a Reforma da Previdência.

O movimento luta por mais investimentos públicos em escolas, professores e pagamento imediato da Revisão Geral Anual (RGA) e dos salários cortados; Por 10% do PIB para a educação pública; Por uma educação vinculada às necessidades dos trabalhadores e seus filhos em detrimento do lucro; por mais oferta de escolas, creches e universidades públicas e gratuitas; Pela responsabilização do Estado pelos cuidados e educação de seu povo; Por uma educação, ciência e tecnologia voltadas ao desenvolvimento e bem-estar de seu povo em detrimento às empresas privadas; Pela não criminalização da arte e dos que lutam; pelo combate à discriminação de classe/gênero e raça/etnia.

Representante da Associação dos Docentes (ADUNEMAT), Edna Sampaio explicou sobre as pautas consideradas urgentes. Entre elas está a mobilização da Frente em Defesa da Educação Pública. Outra pauta seria pressionar a administração universitária para que se manifeste contraria ao programa Future-se, com objetivo, dentre outras coisas, “de aumentar a autonomia das universidades, através de parcerias entre a União e organizações sociais”.

“O Future-se nada mais é que um projeto antigo. Nada mais é que uma nova faceta da PEC 56B, da PEC370, só que com mais danos. O que o Consuni [Conselho Universitário] disse que precisávamos de tempo para conhecer. Nós conhecemos, os movimentos sociais conhecem e temos que exigir da universidade uma posição firme e clara para que não tenha dúvidas junto à sociedade que a universidade é contrária a esse projeto, na luta e defesa da universidade pública”, acrescentou.

Em sua primeira reunião de organização, participaram os representantes do SINASEFE/MT, Adufmat, SINTUF-MT, UNE-MT, DCE UFMT-Cuiabá, Unidade Classista, MST, Fórum Permanente de Saúde e também professores da rede municipal de Várzea Grande.

Coordenadora de comunicação da Adufmat, Lélica Lacerda pontuou que  o Brasil está em um processo acelerado de precarização da educação. "Nós sabemos, pela referência histórica, que todo país que destruiu a educação se destruiu enquanto país, porque um país para ser soberano, é necessário se investir massivamente em educação. Por isso, nesse momento em que o país corta 30% dos recursos das universidades federais, 47% dos recursos da educação básica, nós constituirmos uma frente e fazer com que o dia 13 de agosto não seja somente um dia de agitação pontual, mas o dia de lançamento de uma frente que promete uma luta contínua, esse é um movimento que nos dá bastante esperança de que nós vamos sair vitoriosos, já que a Educação vai derrotar o autoritarismo".

Fonte:

FOTOS DESTA NOTÍCIA

Voltar

COMENTAR A NOTÍCIA

Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica - MT
Rua Marechal Floriano Peixoto, 97. CEP: 78.005-210. Cuiabá-MT
(65) 3358-3171 - (65) 99234-1887.   CNPJ:03.658.820/0010-54.  sinasefemt@sinasefemt.org.br
© Copyright 2020 - Todos os Direitos Reservados
WEB SITE DESENVOLVIDO E HOSPEDADO POR: MRX WEB SITE - WWW.MRXWEB.COM.BR