OUVIDORIA DO SINDICATO
CONTATO
SOBRE
HOME

Outdoors contra a Reforma Administrativa são espalhados pelas ruas de Cuiabá e Várzea Grande

Outdoors contra a Reforma Administrativa são espalhados pelas ruas de Cuiabá e Várzea Grande

O SINASEFE/MT em parceria com a Adufmat e o ANDES iniciaram uma campanha conjunta contra a Reforma Administrativa. Os sindicatos se uniram e espalharam diversos outdoors pela região metropolitana da capital incentivando a população a pensar criticamente a respeito do tema e também desconstruindo argumentos mentirosos sobre a Reforma.  

Saiba Mais
Sindicato realiza retrospectiva das ações realizadas em 2020

Sindicato realiza retrospectiva das ações realizadas em 2020

Definitivamente o ano de 2020 vai ficar marcado na História e na memória de todos nós que vivenciamos de perto todos os episódios marcantes que aconteceram neste período.

Saiba Mais
Filmes com temática feminina serão exibidos no Cine Teatro Cuiabá

Filmes com temática feminina serão exibidos no Cine Teatro Cuiabá

A partir de hoje (25), o Cine Teatro Cuiabá exibe uma série de curtas e longas produzidos e dirigidos por mulheres. A ação faz parte da Campanha de Combate à Violência Contra a Mulher e tem o apoio do SINASEFE MT. A organização de todo o evento é do Coletivo de Mulheres Camponesas e Urbanas de Mato Grosso e até o dia 10 de dezembro as obras cinematográficas estarão integrando o movimento da campanha “21 Dias de Ativismo pelo fim da Violência contra as Mulheres”. 

Saiba Mais
WEBINÁRIO

WEBINÁRIO "GÊNERO E SEXUALIDADE ENQUANTO DIREITO FUNDAMENTAL"

A transmissão da live será no dia 25/11, às 19h, horário de Cuiabá/MT. Esta atividade faz parte da campanha "21 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra as Mulheres",  realizada pela Comissão para Estudos Sociais das Relações Étnico-raciais, de Gênero e Cidadania (Cerg) do IFMT Campus Sorriso.

Saiba Mais
Em defesa da democracia e a favor do IFMT que queremos

Em defesa da democracia e a favor do IFMT que queremos

O SINASEFE - seção sindical Mato Grosso como entidade representativa da categoria dos servidores e servidoras do IFMT, diante do cenário de eleição para diretores gerais e reitor, reafirma que não apoia nenhuma candidatura, pois preza pela independência e pela autonomia frente a qualquer gestão, seja de reitoria, seja de diretoria.

Saiba Mais

HOME / NOTÍCIAS

Quarta-Feira, 14 de Agosto de 2019, 20h28   (Atualizada 14/08/2019 às 20:28)

Frente em Defesa da Educação Pública lança manifesto e cobra posição da UFMT sobre Future-se

SOCIALMENTE REFERENCIADA

Representantes da sociedade civil organizada lançaram na manhã desta terça-feira (13) a Frente em Defesa da Educação Pública de Mato Grosso, uma organização de iniciativa popular que reúne os mais diversos movimentos sociais. Também foi lançado um manifesto em que foram elencados o que eles chamam de principais ataques à educação infantil, básica, tecnológica e universitária. Na oportunidade, foi cobrado um posicionamento da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) quanto ao programa Future-se, lançado recentemente pelo Ministério da Educação (MEC).

“Sonhamos com escolas de graça e de qualidade em todos os bairros; universidades públicas e gratuitas em todas as regiões do país para que o filho e filha da faxineira tenham estudos tão bons quanto os filhos e filhas dos patrões e fazendeiros, num projeto de redução das desigualdades no nosso país”, diz trecho do manifesto.

O texto cita que com o congelamento dos investimentos sociais por 20 anos, professores estão sendo criminalizados, escolas estão ficando sem merenda e sem estrutura básica, inclusive as universidades com corte de luz, salários e bolsas. Outro fato apontado foi o corte de 30% dos recursos das universidades e de 47% dos recursos da educação básica, para pagar juros a bancos, segundo apontam.

Dentre as atividades da Frente em Defesa da Educação Pública de Mato Grosso, está a Greve Geral, mobilização nacional que ocorre na tarde de hoje, na região central de Cuiabá, em Defesa da Educação e contra a Reforma da Previdência.

O movimento luta por mais investimentos públicos em escolas, professores e pagamento imediato da Revisão Geral Anual (RGA) e dos salários cortados; Por 10% do PIB para a educação pública; Por uma educação vinculada às necessidades dos trabalhadores e seus filhos em detrimento do lucro; por mais oferta de escolas, creches e universidades públicas e gratuitas; Pela responsabilização do Estado pelos cuidados e educação de seu povo; Por uma educação, ciência e tecnologia voltadas ao desenvolvimento e bem-estar de seu povo em detrimento às empresas privadas; Pela não criminalização da arte e dos que lutam; pelo combate à discriminação de classe/gênero e raça/etnia.

Representante da Associação dos Docentes (ADUNEMAT), Edna Sampaio explicou sobre as pautas consideradas urgentes. Entre elas está a mobilização da Frente em Defesa da Educação Pública. Outra pauta seria pressionar a administração universitária para que se manifeste contraria ao programa Future-se, com objetivo, dentre outras coisas, “de aumentar a autonomia das universidades, através de parcerias entre a União e organizações sociais”.

“O Future-se nada mais é que um projeto antigo. Nada mais é que uma nova faceta da PEC 56B, da PEC370, só que com mais danos. O que o Consuni [Conselho Universitário] disse que precisávamos de tempo para conhecer. Nós conhecemos, os movimentos sociais conhecem e temos que exigir da universidade uma posição firme e clara para que não tenha dúvidas junto à sociedade que a universidade é contrária a esse projeto, na luta e defesa da universidade pública”, acrescentou.

Em sua primeira reunião de organização, participaram os representantes do SINASEFE/MT, Adufmat, SINTUF-MT, UNE-MT, DCE UFMT-Cuiabá, Unidade Classista, MST, Fórum Permanente de Saúde e também professores da rede municipal de Várzea Grande.

Coordenadora de comunicação da Adufmat, Lélica Lacerda pontuou que  o Brasil está em um processo acelerado de precarização da educação. "Nós sabemos, pela referência histórica, que todo país que destruiu a educação se destruiu enquanto país, porque um país para ser soberano, é necessário se investir massivamente em educação. Por isso, nesse momento em que o país corta 30% dos recursos das universidades federais, 47% dos recursos da educação básica, nós constituirmos uma frente e fazer com que o dia 13 de agosto não seja somente um dia de agitação pontual, mas o dia de lançamento de uma frente que promete uma luta contínua, esse é um movimento que nos dá bastante esperança de que nós vamos sair vitoriosos, já que a Educação vai derrotar o autoritarismo".

Fonte:

FOTOS DESTA NOTÍCIA

Voltar

COMENTAR A NOTÍCIA

Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica - MT
Rua Marechal Floriano Peixoto, 97. CEP: 78.005-210. Cuiabá-MT
(65) 3358-3171 - (65) 99234-1887.   CNPJ:03.658.820/0010-54.  sinasefemt@sinasefemt.org.br
© Copyright 2021 - Todos os Direitos Reservados
WEB SITE DESENVOLVIDO E HOSPEDADO POR: MRX WEB SITE - WWW.MRXWEB.COM.BR