OUVIDORIA DO SINDICATO
CONTATO
SOBRE
HOME

Qual é o nosso papel no mês dos surdos?

Qual é o nosso papel no mês dos surdos?

O mês de setembro é marcado por diversos eventos da comunidade surda. Eles são voltados para a conscientização sobre a acessibilidade e a comemoração das conquistas obtidas ao longo dos anos

Saiba Mais
Seções sindicais do SINASEFE em Mato Grosso discutem estratégias contra a implantação do ponto eletrônico

Seções sindicais do SINASEFE em Mato Grosso discutem estratégias contra a implantação do ponto eletrônico

Representantes de todas as seções sindicais do estado se reuniram na sede do SINASEFE/MT, em Cuiabá, para discutir ações referentes à campanha de enfrentamento à implantação do ponto eletrônico nas unidades do Instituto Federal de Mato Grosso.

Saiba Mais
Comunicado de Renúncia

Comunicado de Renúncia

A Diretoria Executiva do SINASEFE/MT torna público o comunicado de renúncia encaminhado pela presidente da Comissão Eleitoral, responsável pela condução e fiscalização da eleição da nova Diretoria Executiva e Conselho Fiscal 2019/2020, servidora Nádia Louise Dias de Souza Freitas.

Saiba Mais
Economista da Auditoria Cidadã revela como Dívida Pública mantém o Brasil um país dependente

Economista da Auditoria Cidadã revela como Dívida Pública mantém o Brasil um país dependente

Reproduzimos entrevista com o economista Rodrigo Ávila, da Auditoria Cidadã da Dívida, que explica como a Dívida Pública consome cerca de metade do orçamento do país todos os anos e é fruto de um mecanismo fraudulento para enriquecer banqueiros e especuladores 

Saiba Mais
Resultado das impugnações do Regulamento Eleitoral é públicado

Resultado das impugnações do Regulamento Eleitoral é públicado

A Comissão Eleitoral torna público o resultado dos pedidos de impugnação do Regulamento Eleitoral para a Diretoria Executiva e Conselho Fiscal – Biênio 2018/2020.

Saiba Mais

HOME / NOTÍCIAS

Quinta-Feira, 10 de Maio de 2018, 20h39   (Atualizada 10/05/2018 às 20:39)

MP perde validade e servidores não terão contribuição previdenciária reajustada

POR ENQUANTO

Em 30 de outubro de 2017, em edição extraordinária do Diário Oficial da União, o Governo Federal publicou a Medida Provisória n. 805/2017, a qual postergava os aumentos já aprovados em anos anteriores para diversas categorias do funcionalismo público, bem como aumentava a contribuição previdenciária dos servidores ativos, aposentados e dos pensionistas de 11% para 14%.

 

Por força disso, na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 5809, ajuizada pelo Partido Socialismo e Liberdade – PSOL, o ministro Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, em 18 de dezembro de 2017, proferiu decisão liminar que suspendeu a aplicação de artigos da referida medida provisória.

 

Na ocasião, o ministro Ricardo Lewandowski demonstrou que, com a edição da medida provisória, “os servidores públicos do Poder Executivo Federal serão duplamente afetados pelo mesmo ato. Primeiro, por cercear-se um reajuste salarial já concedido mediante lei; depois por aumentar-se a alíquota da contribuição previdenciária, que passa a ser arbitrariamente progressiva, sem qualquer consideração de caráter técnico a ampará-la”.

 

O Ministro destacou que a jurisprudência do STF era pacífica ao garantir a irredutibilidade dos salários e que, caso a norma não seja suspensa, “os servidores atingidos iniciarão o ano de 2018 recebendo menos do que percebiam no anterior, inviabilizando qualquer planejamento orçamentário familiar previamente estabelecido”.

 

Na prática, a decisão impediu que a MP 805 fosse aplicada, garantindo o cumprimento dos acordos salariais transformados em lei, e impedindo a elevação das alíquotas previdenciárias.

 

Diante do fato da MP n. 805/2017 não ter sido convertida em lei no prazo constitucional, o ministro Ricardo Lewandowski acabou por julgar prejudicada a ADI nº 5809, visto que a inércia legislativa acarretou a completa perda de eficácia da medida, deixando essa de existir no mundo jurídico.

 

O Ministro destacou que o parágrafo 3º do artigo 62 da Constituição Federal prevê que as medidas provisórias perderão eficácia, desde a edição, se não forem convertidas em lei no prazo de 60 dias, prorrogável uma vez por igual período, devendo o Congresso Nacional disciplinar, por decreto legislativo, as relações jurídicas delas decorrentes.

Fonte: Assessoria Jurídica
Voltar

COMENTAR A NOTÍCIA

Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica - MT
Rua Marechal Floriano Peixoto, 97. CEP: 78.005-210. Cuiabá-MT
(65) 3358-3171 - (65) 99804-0518.   CNPJ:03.658.820/0010-54.  sinasefemt@sinasefemt.org.br
© Copyright 2018 - Todos os Direitos Reservados
WEB SITE DESENVOLVIDO E HOSPEDADO POR: MRX WEB SITE - WWW.MRXWEB.COM.BR