OUVIDORIA DO SINDICATO
CONTATO
SOBRE
HOME

Saiba como identificar e não se deixar enganar pelas mentiras e desinformação das “Fake News”

Saiba como identificar e não se deixar enganar pelas mentiras e desinformação das “Fake News”

Além da polarização política que marca as eleições deste ano no Brasil, estudiosos tem apontado que o uso das redes sociais e sua influência no processo eleitoral também é destaque. Mas, mais do que o uso dos aplicativos em si, o que chama a atenção é a disseminação indiscriminada de notícias falsas, as chamadas “Fake News”

Saiba Mais
Orientações sobre a Instrução Normativa nº 02/2018

Orientações sobre a Instrução Normativa nº 02/2018

Complementando as informações que disponibilizamos aqui em nosso site sobre os ataques contidos aos Servidores Públicos Federais (SPFs) dentro da Instrução Normativa nº 02/2018, trazemos um informe com orientações à categoria, redigido pela Assessoria e Pasta Jurídicas do SINASEFE NACIONAL.

Saiba Mais
Conselho Fiscal do SINASEFE MT aprova contas do sindicato

Conselho Fiscal do SINASEFE MT aprova contas do sindicato

No último mês, o Conselho Fiscal do SINASEFE MT, após reunião com o contador Marianderson dos Reis, aprovou a prestação de contas do sindicato.

Saiba Mais

Na última semana, a servidora Flávia Geane, coordenadora de formação política e sindical do SINASEFE/MT, fez plantão de base na sede do SINASEFE Nacional, em Brasília. Entre os dias 17 e 19 de setembro, Flávia e outros três servidores de institutos federais brasileiros foram os responsáveis pelas rotinas de trabalho realizadas no sindicato.

Saiba Mais
Membros da comissão eleitoral pedem renúncia

Membros da comissão eleitoral pedem renúncia

Os servidores Edson Nobre e Nelzi de Souza informaram a renúncia da função de integrante da Comissão Eleitoral, nesta segunda-feira (24). O único membro que continua no exercício do cargo é o servidor Rafael Viegas.

Saiba Mais

HOME / NOTÍCIAS

Sexta-Feira, 16 de Fevereiro de 2018, 14h00   (Atualizada 16/02/2018 às 17:18)

Decreto pela intervenção federal no RJ adia votação da reforma da Previdência

INDEFINIÇÃO
Wilson Dias/Agência Brasil

Nesta sexta-feira (16), o presidente golpista Michel Temer (MDB) assinou decreto de intervenção federal na segurança pública no estado do Rio de Janeiro sob a justificativa de tentar conter a onda de violência. O comando do Exército já se reuniu para definir o modo de atuação da instituição durante o período. O Congresso deverá votar o decreto na próxima segunda-feira (19).

 

Diante da novidade, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), anunciou que a reforma da Previdência, que tramita na Casa sob o nome de Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 287, não deve mais ser votada na próxima semana, como o governo vinha tentando fazer. 

 

Com isso, a avaliação de movimentos sociais e opositores do governo na Câmara Federal é de que reforma se torna ainda mais distante. A decisão pela intervenção repercute diretamente na tramitação da proposta porque, segundo o Artigo 60 da Constituição Federal, não pode ser feita nenhuma alteração constitucional durante ações dessa natureza. 

 

O dirigente João Paulo Rodrigues, do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), aponta que as constantes críticas ao governo, em especial durante o carnaval do Rio de Janeiro, ampliaram a impopularidade de Michel Temer e demonstraram uma possibilidade maior de fracasso da reforma. Ele criticou a opção do governo pela intervenção militar. 

 

“É uma resposta da direita contra o povo, contra os trabalhadores, e uma forma de tirar o foco da derrota deles e transformar o tema da segurança pública da repressão como um tema de propaganda pra classe média, que vive com medo”, avalia. 

 

A líder do PCdoB na Câmara dos Deputados, Alice Portugal (BA), considera que a intervenção seria uma “cortina de fumaça” para despistar a dificuldade de aprovação da matéria. 

 

“O governo não tem votos e sua base encolhe [junto] com a popularidade, e eles vão utilizar agora esse pretexto. Eles constroem, portanto, uma saída, entre aspas, honrosa pra não votar a reforma da Previdência”, afirma. 

 

Apesar de ter reafirmado que considera a possibilidade de engavetamento da proposta, Maia disse que a mobilização para tentar somar apoios para aprovar o texto deve continuar. São necessários 308 favoráveis para que a medida seja aprovada na Câmara. A base aliada do Planalto sustenta que teria cerca de 270, mas a oposição avalia que o cenário estaria ainda mais desvantajoso para o governo, com uma margem menor de votos. 

 

João Paulo Rodrigues ressalta que os movimentos populares seguirão na linha de combate à reforma. “Agora vamos pautar junto aos movimentos, nesta semana de mobilização, a luta contra a violência, em especial a luta contra a repressão e o genocídio do nosso povo que vive na periferia das grandes cidades do país", antecipou. 

 

Na segunda-feira (19), movimentos populares e sindicatos irão realizar uma série de paralisações e mobilizações pelo Brasil. Diversas categorias já confirmaram a adesão.

 

Edição: Nina Fideles

Fonte: Cristiane Sampaio / Brasil de Fato
Voltar

COMENTAR A NOTÍCIA

Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica - MT
Rua Marechal Floriano Peixoto, 97. CEP: 78.005-210. Cuiabá-MT
(65) 3358-3171 - (65) 99804-0518.   CNPJ:03.658.820/0010-54.  sinasefemt@sinasefemt.org.br
© Copyright 2018 - Todos os Direitos Reservados
WEB SITE DESENVOLVIDO E HOSPEDADO POR: MRX WEB SITE - WWW.MRXWEB.COM.BR